A MADEIRA COMO FONTE PRIMÁRIA DE ENERGIA


O modo mais prático e mais fácil de produzir energia da biomassa é através da combustão da própria madeira ou de seus rejeitos.

É muito simples sua preparação e uso, sendo ainda matéria-prima para as fontes secundárias de energia, tais como carvão, etanol, monóxido de carbono, gás de água (CO + H2), hidrigênio e eletricidade.

A madeira combustível possui a vantagem de ser renovavel, ter baixo teor de cinzas, e uma quantidade infima de enxofre. É volumosa e apresenta baixo poder calorífico se comparada a outros combustíveis, como podemos ver na tabela a seguir:

COMBUSTÍVELPODER CALORÍFICO (kcal/kg)
CARVÃO VEGETAL7100
LIGNITO4000
MADEIRA3500
MADEIRA SECA4700
ÓLEO COMBUSTÍVEL9800
PARAFINA10400

O poder calorifico superior da madeira está em torno de 4700-5000 kcal/kg. O aspecto que diminui mais a eficiência da madeira como combustível é o teor de umidade que pode atingir até 100% do peso da madeira seca. A redução da umidade é desejavél não somente para diminuir os custos de manejo e transporte, mas também para aumentar o valor da madeira como combustível. Por isso nas regiões tropicais a madeira é cortada 3 a 4 meses antes de ser queimada, enquanto que nas regiões temperadas a madeira deve ser cortada entre 6 e 12 meses antes de ser queimada. Tais períodos são suficientes para diminuir a umidade da madeira em 25 a 30% e aumentar o seu poder calorifico para até 4000kcal/kg.

Podemos então enumerar as seguintes vantagens da madeira:

Podemos ainda citar como desvantagens da madeira:

Devemos ainda lembrar que para a utilização da madeira como fonte primária de energia na indústria é necessário um planejamento criterioso afim de stisfazer as necessidades energéticas da empresa e também os regulamentos impostos pelo código florestal (ou similares). É importante salientar que deve ser previsto o uso der eservas ou quantidades extras de madeira para satisfazer o aumento na demanda de energia da empresa, de forma que seja possível o aumento da produção da empresa a qualquer momento e consequentemente um aumento das necessidades energéticas da empresa. Outro importante fator é que só podemos obter a flexibilidade energética descrita acima através do uso racional da madeira, já que o uso predatório da mesma implica em custos (principalmente de transporte) sempre em elevação e numa total falta de controle da quantidade de fornecimento.